ALIMENTAR

É CONSTRUIR

O FUTURO

Minas Gerais

Programa ATeG chega para aprimorar ainda mais o tradicional queijo Canastra

5 de agosto 2020
Por Senar

Três municípios da região da Serra da Canastra estão recebendo o Programa de Assistência Técnica e Gerencial - ATeG Agroindústria Artesanal para trabalhar o segmento que os tornaram conhecidos no mundo: o queijo Canastra. O projeto iniciado há dois meses é resultado da parceria entre Sindicatos dos Produtores Rurais e Sistema FAEMG/SENAR/INAES para atender produtores de Medeiros, Tapiraí e Bambuí. Vários pilares serão trabalhados como a assistência técnica na produção, custos e estrutura das queijarias.

A cultura do queijo é tradicional no município reúne na sua maioria produtores da agricultura familiar em uma produção que a receita é passada de pai para filho e se tornou patrimônio cultural imaterial. Reconhecidos nacionalmente, os produtores já contabilizam várias premiações pela qualidade do produto.

O queijo Canastra

O instrutor Cyro Daniel de Campos atende 20 propriedades, sendo duas delas em Bambuí, seis em Tapiraí e 12 em Medeiros. Segundo Cyro, os produtores estão abertos as mudanças necessárias para melhorar a produção e manter a qualidade. Embora o Programa esteja bem no início, algumas medidas já reportaram ganhos para os produtores como no corte na massa, segundo o instrutor. Com as técnicas repassadas, Cyro ressalta que muitos conseguiram aumentar a produção em um ou dois queijos por dia, o que representa aumento de até 10% na produção mensal. “Nós trabalhamos com metas a longo prazo, pois focamos higiene, boas práticas na fabricação, custos de produção e infraestrutura da queijaria”, ressaltou o instrutor. Ele destaca o novo momento de valorização do queijo com a tradição sendo mantida na família e o retorno de filhos para a atividade.

A produtora Francielle Cristina Leite, da queijaria Pedacin da Serra, é um desses exemplos. Ela está retornando as atividades que é uma tradição na sua família, após vivenciar outras experiências profissionais como engenheira civil. Na família ela é a quinta geração a trabalhar com o queijo e segundo a produtora está dando certo, com o reconhecimento pelo produto e boas vendas.