ALIMENTAR

É CONSTRUIR

O FUTURO

Mato Grosso

Semeia tem como objetivo despertar a curiosidade das crianças pelo campo
13082021031644 210816 184511

O projeto será realizado nas escolas assim que regularizadas as aulas

17 de agosto 2021
Por Senar

O real valor do trabalho no campo. Este é o principal objetivo do Semeia, um projeto do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de Mato Grosso (Senar-MT), apresentado nesta sexta-feira (13.08), para a equipe da Secretaria Municipal de Educação (SME). Como o projeto será desenvolvido junto às escolas, só será lançado quando a pandemia da Covid-19 estiver controlada e as instituições de ensino voltarem definitivamente às aulas presenciais.

Para o superintendente do Senar-MT, Francisco Olavo Pugliesi de Castro, popularmente chamado de Chico da Pauliceia, a ideia é que ao final deste projeto as crianças saibam mais sobre a origem dos alimentos. "Queremos despertar a curiosidade delas sobre o campo. Queremos que elas saibam de onde vem a comida e que tenham mais interesse pelo setor agropecuário".

Chico destaca ainda que a parceria com a Secretaria Municipal de Educação é primordial para o desenvolvimento do Semeia. "Queremos agregar vários parceiros para possibilitar desdobramentos do Semeia. Construí-lo a várias mãos e com muita qualidade".

O diretor de operações do Senar-MT, Carlos Augusto Zanata, conhecido como Guto Zanata, acrescenta que a ideia é instigar as crianças a pensarem de onde vem os alimentos que elas consomem diariamente. "Mas queremos fazer isso a partir da vivência".

Este encontro das equipes do Senar-MT e SME serviu para alinhamentos internos, questionamentos sobre a implantação do projeto e, principalmente, para discutir o momento ideal para colocá-lo em prática. Em função da pandemia ainda não há uma data marcada para o início das atividades.

Também foi discutida a capacitação dos professores que será feita pelo Senar-MT, via sistema EaD. A expectativa é que esta capacitação aconteça ainda neste mês de setembro. Porém, todas as ações estão atreladas à situação da pandemia. 

A supervisora de programas e projetos especiais, Diana Maia ressaltou que o projeto será desenvolvido em quatro etapas. A primeira será a capacitação dos professores. A segunda é a execução do projeto nas escolas. A terceira é a avaliação das atividades e a quarta é a exposição dos trabalhos.