ALIMENTAR

É CONSTRUIR

O FUTURO

Minas Gerais

ATeG já deixa legado para produtores no Norte de MG
A Te G ja deixa legado para produtores no Norte de MG DESTAQUE

21 de agosto 2022
Por Senar

Por: SENAR MINAS

Após dois anos de consultoria técnica e gerencial, pecuaristas de corte de Grão Mogol terão em mãos um legado a ser seguido. O trabalho realizado pelo Programa AgroNordeste, desenvolvido no estado pelo Sistema FAEMG, contribuiu para maior organização e profissionalização da atividade na região, fazendo com que os produtores adotem novos métodos de trabalho.

“Quando o técnico chegou melhorou bastante, foi uma transformação significativa. Já conseguimos, nas primeiras visitas, nos animar com o programa. Adotamos aqui a correção de solo, realizamos a formação de passagens em terras em que, até então, a gente tinha muita dificuldade em mexer. Fizemos várias mudanças nas terras improdutivas. Apesar de sempre atuarmos no segmento, sempre foi tudo muito complicado. Até então, o gado alimentava praticamente só da pastagem nativa da região”, explicou o produtor assistido Roberto Costa, que há quase três décadas se dedica à pecuária.

ATeG ja deixa legado para produtores no Norte de MG SENAR MINAS

Assim como descrito pelo produtor, várias técnicas e instruções foram repassadas ao grupo e aplicadas ao longo dos dois anos de consultoria. Entre as ações, foram realizados controle de processo erosivo e correção do solo; construção de curvas de nível e barraginhas; formação de capineiras; plantio de palma forrageira; manejos sanitários; higiene de bebedouros; orientações para suplementação mineral e construção de cercas para divisão de piquetes, entre outros.

“Começamos do básico, como se eles nunca tivessem atuado na cadeia. Foram trabalhados conceitos gerenciais e técnicos, realizando uma verdadeira quebra de paradigmas”, explicou o técnico de campo João Carlos de Oliveira. “Muitos destes produtores não tinham hábitos de trabalho e outros ainda atuavam somente com as práticas que aprenderam com os familiares, da tradição da família. Um exemplo é que ninguém fazia controle gerencial, muitos não tinham nenhum tipo de estrutura de farmácia animal e encontramos muitas pastagens degradas”, detalhou João Carlos.

Apresentação de resultados

Neste mês, para encerrar oficialmente os dois anos de ATeG, foi realizada a reunião de benchmarking, onde os produtores conheceram melhor seus resultados. O pecuarista Ricardo Freire Pinto da Cruz reconheceu o crescimento profissional que teve nos últimos meses e o impacto direto nas contas da fazenda. “As mudanças que fizemos geraram maior economia de gastos na propriedade. Antes, nessa época do ano, já estaríamos num aperto financeiro maior”, afirmou o produtor.

Na propriedade de Ricardo, que há 17 anos investe no corte, foram realizadas correções do solo; adubação; planejamento da quantidade de sementes por hectare; mudanças no manejo; produção de silagem e criação de piquetes, entre outros. “Fizemos o controle da altura do capim para o animal entrar e sair no período certo. Tanto que meu pasto segue com muito capim agora, mesmo na seca. Normalmente meu gado só ficava bonito na época das águas, mas agora segue um padrão”, finalizou.

Superar a seca também é algo que tem deixado o produtor Roberto Costa ainda mais satisfeito com o legado do ATeG. Para ele, os meses do ano sem chuva eram certeza de prejuízo e aperto financeiro na fazenda - realidade que mudará este ano. “Eu tinha gado bom no período de chuva, mas na seca não tinha como alimentar e precisava vender a preço baixo. Hoje estamos tranquilos. Tenho 50 cabeças e não tenho necessidade de vender. Poderei segurar para obter um preço melhor depois e isso ajuda a visualizar os próximos anos como ainda melhores. As orientações do ATeG foram importantes, pois mudados a forma de exploração da propriedade. Hoje, seguramente, posso falar que minha capacidade de produção triplicou”, finalizou.

Projeto AgroNordeste

O projeto é uma iniciativa do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) em parceria com o Sistema CNA/SENAR e a ANATER. Em Minas Gerais, o AgroNordeste é desenvolvido pelo Sistema FAEMG em parceria com os Sindicatos Rurais.