ALIMENTAR

É CONSTRUIR

O FUTURO

Bahia

Sistema Faeb/Senar realiza palestra sobre experiências da produção de queijo mineiro para produtores baianos
PALESTRANTE 190722 170247

23 de julho 2019
Por Senar

Vindo de uma região com mais de 200 anos de tradição na fabricação de queijo, a Serra da Canastra, em Minas Gerais, o engenheiro agrônomo, João Carlos Leite, o “Zé da Canastra”, esteve na manhã desta sexta (19) na sede do Sistema Faeb/Senar, em Salvador, para ministrar uma palestra para produtores baianos do laticínio. A realização do evento atendeu o pedido de um grupo de produtores que desejavam conhecer a organização da produção mineira que é destaque em todo o mundo.

Durante o encontro, João Carlos, que também é presidente da Associação de Produtores de Queijo Canastra (Aprocan) e da Cooperativa de Crédito de Livre Admissão de São Roque de Minas (SICOOB Saromcredi), compartilhou com o público presente como os produtores de queijo mineiro, sobretudo aqueles donos de produção artesanal de leite cru, enfrentaram dificuldades para continuar fabricando o alimento devido a uma legislação que considerava a fabricação irregular.

João também falou sobre como os produtores da Serra da Canastra se organizaram para se adequar às normas da vigilância sanitária, iniciando um processo produtivo que levou o alimento a ser considerado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) como patrimônio cultural imaterial brasileiro.

“Nós tínhamos o melhor queijo do mundo, mas para ganhar mercado e acabar com aquela visão sanitarista, tivemos que adotar quatro conceitos básicos de produção de queijo cru para conquistar medalha e dinheiro. Primeiro tivemos que começar a trabalhar com água potável, ter o rebanho livre de doenças, exercer boas práticas de ordenha e fabricação e, por último, criar rastreabilidade. Esses conceitos sustentaram uma produção agroartesanal de queijo de leite cru”, explicou.

O presidente do Sistema Faeb/Senar, Humberto Miranda, agradeceu a presença de todos que estavam presentes no encontro, destacando que é preciso organizar os produtores rurais para, consequentemente, manter uma produção mais forte.

Jol 1

“Esse tipo de reunião tem o objetivo de trazer o produtor rural para discutir esse assunto em um momento oportuno depois que foi anunciado o decreto que regulamenta o Selo Arte, permitindo a venda de produtos alimentícios artesanais. Espero que esse encontro seja um divisor de águas”, comentou o presidente.

Também estavam presentes no evento Paulo Emílio, Superintendente Federal da Agricultura da Bahia (SFA-BA); Maurício Barcelar, diretor-geral da Agência Estadual de Defesa Agropecuária da Bahia (ADAB); os deputados estaduais Eduardo Sales e Tiago Correia, além da diretoria do sistema e representantes de outras instituições como o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae); Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa); Secretaria da Agricultura, Pecuária, Irrigação, Pesca e Aquicultura (Seagri); Secretaria de Desenvolvimento Econômico (SDE); Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado da Bahia (OCEB) e Cadastro Ambiental Rural (CAR).