ALIMENTAR

É CONSTRUIR

O FUTURO

Santa Catarina

Renda em alta estimula agroeconomia catarinense em 2020
01 200211 143733

11 de fevereiro 2020
Por CNA

Apesar da seca que arrasou lavouras em algumas regiões catarinenses (especialmente a área de Campos Novos), a previsão de produtividade elevada e de bons preços para as principais comodities garante aumento do movimento econômico do setor primário catarinense em 2020. A previsão é da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (FAESC).

Se o clima não atrapalhar e não houver nenhuma surpresa no cenário internacional, a agricultura catarinense terá um ano de excelentes resultados, prevê o vice-presidente Enori Barbieri .

O milho registra movimento de alta iniciado no segundo semestre do ano passado e já está sendo comercializado a 46 reais a saca, preço praticado ao produtor rural. Nas principais regiões produtoras, como Xanxerê, Campo Erê, Abelardo Luz e Planalto Norte, a produtividade chega atingir 250 sacas por hectare, o que representa 15 toneladas/há e a certeza de excelentes ganhos.

A valorização em relação ao ano passado é superior a 35%, aumentando os custos de produção para as agroindústrias de processamento de carne e para os criadores de aves e suínos. “É situação de duas faces: ao mesmo tempo em que o plantador tem aumento de ganhos, os criadores tem aumento de custo”, expõe o dirigente.

Santa Catarina – em razão de sua grande deficiência de milho – importará cerca de 4,5 milhões de toneladas.

Os preços também são bons para soja e feijão. A soja já está cotada a 80 reais a saca e, o feijão, a 160 reais. Santa Catarina planta 670 mil hectares de soja para colher 2,4 milhões de toneladas. Também cultiva 63 mil hectares de feijão para obter 104 mil toneladas.

A agricultura catarinense vai gerar muita renda em 2020. Somente o milho  injetará diretamente cerca de 2,3 bilhões de reais na economia, a soja mais 3,2 bilhões e o feijão 280 milhões de reais.

Barbieri acredita que o avanço do coronavírus pode impactar alguns setores exportacionistas que tem a China como principal mercado, mas não atrapalhará o agronegócio brasileiro que continuará e ampliará as vendas de alimentos para o gigante asiático.