ALIMENTAR

É CONSTRUIR

O FUTURO

Mato Grosso

Cursos do Senar-MT mostram que há alternativas simples e baratas que podem ser utilizadas pelos pequenos produtores
7194ce3c 6eea 4b73 8a50 348cf00b35a6

27 de outubro 2020
Por Senar

Os produtores rurais esperavam a estiagem severa em agosto, mas em 2020 as chuvas - em alguns locais - pararam em maio. O extenso período de seca obrigou os profissionais a se adaptarem e anteciparem a mudança na alimentação do rebanho. Porém, graças ao conhecimento adquirido em um curso, o bovinocultor de Poconé Luiz Felipe de Arruda conseguiu até lucro neste período. 

"Tomo conta da propriedade há oito anos, sempre buscamos métodos para não perder animal e somente em 2020 conseguimos êxito". O produtor atualmente possui nove hectares plantados de capim-elefante e teve alimento para todo o período de estiagem.  

Luiz alimentou o gado com o feno produzido com esse material adicionado a resíduo de milho. A técnica foi aprendida no treinamento "Alimentação Bovina para o período da seca", ministrado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de Mato Grosso (Senar-MT).  

A preparação inicia logo que começam as chuvas e até o fim deste ano está prevista a realização desse treinamento em quatro municípios de Mato Grosso. Em Porto dos Gaúchos, o produtor rural João Tonholo já está se preparando para a próxima estiagem. Neste ano, o produtor não esperava que a chuva parasse tão cedo e perdeu quatro das 300 cabeças de gado.

"Geralmente eu começava a cortar a cana-de-açúcar em agosto e neste ano comecei em maio. No dia 30 de setembro já não tinha mais alimento". Para o produtor, é importante se preparar. "Não é de um dia para o outro que você se estrutura. Tem que começar muito cedo".

O presidente do Sindicato Rural de Porto dos Gaúchos, Milton Zolim possui a mesma opinião e defende a busca pelo conhecimento. "O grande produtor consegue comprar carreta com insumos, mas para o pequeno esse curso é muito importante".

Alternativas baratas - Segundo o instrutor credenciado junto ao Senar-MT, Rodolpho Casadei, há alternativas simples e baratas que podem ser utilizadas pelos pequenos produtores e por falta de conhecimento não são aproveitadas. "A mandioca tem bastante folha. Você pode secar a rama, triturar, desidratar no sol e usar no final da seca. É uma fonte de energia que pode substituir o milho, mas muitos não sabem". 

Além das opções de alimentação, também é ensinado no curso a importância da sanidade animal. "Em preparações com ureia, ela precisa ser aplicada na quantidade adequada senão pode intoxicar o gado. No curso também ensinamos como salvá-lo caso isso aconteça".