ALIMENTAR

É CONSTRUIR

O FUTURO

Mato Grosso

Mais de 60 propriedades pantaneiras serão assistidas pelo projeto FPS
Whats App Image 2022 12 01 at 16 40 30

A partir de 2023, o projeto Fazenda Pantaneira Sustentável (FPS) será ampliado para um Programa e atenderá mais 60 propriedades rurais

1 de dezembro 2022
Por CNA

Por: Ascom Famato

Fonte: Ascom Famato

A partir de 2023, o projeto Fazenda Pantaneira Sustentável (FPS) será ampliado para um Programa e atenderá mais 60 propriedades rurais. Com esta expansão, serão ao todo 75 fazendas assistidas pela equipe técnica do projeto. O anúncio foi feito durante o 3º Encontro de Produtores da Fazenda Pantaneira Sustentável (FPS), nesta quinta-feira (1/12), no auditório da Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato), em Cuiabá-MT.

O projeto é coordenado pela Famato, Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar-MT), Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat) e Embrapa Pantanal. Tem a parceria do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea) e Sindicatos Rurais.

“Vamos dar continuidade e expandir o projeto conforme já alinhado com a nova diretoria que assumirá a gestão da Famato a partir de 2023, juntamente com as entidades parceiras Acrimat e Embrapa Pantanal. Os resultados positivos do projeto nos últimos quatro anos colaboraram para esta decisão”, disse a gestora do Núcleo Técnico da Famato, Lucélia Avi.

Para a chefe-geral da Embrapa Pantanal, Suzana Sales, o projeto FPS é importante para manter o produtor no Pantanal. “A presença do pantaneiro é muito importante para o bioma continuar existindo na sua essência. A Embrapa Pantanal acredita que com a ferramenta FPS o pantaneiro consegue produzir com conservação do ambiente. O que a FPS propõe é que todas as atividades da fazenda sejam feitas dentro da legislação, da biodiversidade”, afirmou Suzana Sales.

O produtor rural de Poconé, Alcides Caetano Martins, descreveu a satisfação de participar: “São inúmeras referências e orientações que recebemos, mas a maior delas é o conhecimento. Eu produzia achando que sabia, a gente pensa que sabe, quando na verdade faltava o conhecimento. O Pantanal é um lugar diferenciado e nós fomos premiados com a chegada da FPS. É o que nós precisávamos”.

Segundo Alcides, não existia um sistema correto de manejo na fazenda e, por isso, não sabia lidar com as plantas invasoras. “Não tínhamos nada de manejo, não sabíamos como lidar com as invasoras e hoje estamos aqui discutindo isso. A produtividade do Pantanal estava morrendo, pelas burocracias e falta de gestão política. A densidade de animais era baixa e agora com a chegada do Sistema Famato, Embrapa e parceiros, através desse projeto passamos a acreditar novamente e a produzir mais no Pantanal”, acrescentou o produtor.

Resultados – O Imea apresentou a conclusão das análises do ano-safra 21/22 da pecuária (junho de 2021 a junho de 2022), informou os índices zootécnicos e econômicos de área, produtividade, produção e monitoramento das propriedades rurais, baseados nos dados levantados durante as visitas técnicas nos municípios de Poconé, Cáceres, Barão de Melgaço, Santo Antônio de Leverger, Itiquira e Rondonópolis.

Whats App Image 2022 12 01 at 16 42 48

O responsável pelo custo de produção da pecuária, Emanuel Salgado, mostrou que o ano de 2021 foi marcado pela maior retenção de fêmeas dos últimos 10 anos. Com isso, as cotações médias da arroba do boi gordo alcançaram recordes históricos. Assim, a produção de bezerros aumentou e a oferta começou a se intensificar no mercado.

Diante desse cenário, na parcial de 2022 foi observado um recuo nos preços dos animais de reposição. Isso refletir na menor produção de bezerros nos próximos anos e, consequentemente, a arroba do boi gordo tende a decrescer por conta da maior oferta de bovinos. Com os preços em queda na reposição, principal fonte de receita dos criadores, é esperado que a oferta de matrizes comece a entrar no mercado.

Em relação os índices zootécnicos, foi observada uma evolução nas fazendas do projeto FPS. Em um comparativo de 2020 a 2022 houve uma redução de um mês na idade de parto, de 33 meses para 32 meses. Outra melhoria foi na taxa de prenhes, de 50% para 72%. Evolução atribuída ao manejo de pastagem e reprodução.

De acordo com Emanuel, a melhor idade de um parto é em torno de 24 meses. A média das três primeiras propriedades do projeto FPS estão com idade de 27 meses. A propriedade com maior taxa de lotação do pastou alcançou o índice de 2,22 UA/ha. Para o especialista, o resultado é reflexo de investimentos em manejo de pastagem, fluxo de animais e divisão e monitoramento da propriedade.

Os indicadores econômicos apontaram que em 2020 a média de custeio do produtor foi de R$ 358,09. Já em 2022 o custeio foi de R$ 275,05. “As propriedades estão cada vez mais eficientes. O projeto tem influenciado positivamente nas fazendas do Pantanal, não somente as que são assistidas pela FPS, como também as que estão ao redor”, pontuou Emanuel Salgado.

Na sequência, Sandra Aparecida Santos, pesquisadora da Embrapa Pantanal, trouxe dois importantes temas: “Porque, onde e como introduzir pastagens exóticas no Pantanal” e “Manejo de pastagens nativas e exóticas”.

A “Lei do Pantanal e Regulamentação" foi apresentada pela superintendente de Mudanças Climáticas e Biodiversidade da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), Gabriela Priante.

FPS – É um projeto piloto criado para auxiliar produtores rurais do bioma Pantanal de Mato Grosso a se desenvolverem economicamente na região e de forma sustentável. Acompanhe tudo sobre o projeto aqui: https://fps.sistemafamato.org.br/ .

Também participaram do evento a diretora Eloisa El Hage da Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat), o secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sedec), Cesar Alberto Miranda, produtores rurais, presidentes de sindicatos rurais, Ida Beatriz (Cáceres), Raul Santos (Poconé) e Antônio Carlos de Carvalho (Santo Antônio de Leverger) e técnicos do Sistema Famato.

A gravação do evento está disponível no canal da Famato no YouTube: https://www.youtube.com/watch?v=1P5zpEQSjcQ