São Paulo

Cursos de Cogumelos ajudam produtores a agregar valor à propriedade

Excelentes fontes de vitaminas e proteínas, os cogumelos estão ganhando cada vez mais espaço no mercado e na alimentação das pessoas

16 de agosto 2022
Por Senar

Por: SENAR-SP

Fonte: Comunicação do Sistema FAESP/SENAR-SP

Cogumelo pinda

Um alimento rico em vitaminas e proteínas, compondo diversas receitas, os cogumelos têm ganhado cada vez mais espaço na mesa dos brasileiros. Pensando nesse mercado crescente, a demanda pelos cursos de cogumelos do SENAR-SP aumentou pelo Estado. Em Pindamonhangaba, município localizado no Vale do Paraíba, produtores rurais participaram do curso de agaricus blazei (cogumelo do Sol), champignon de Paris e Porto Bello.

De acordo com a produtora, bióloga e instrutora do curso, Giani Nibu, os participantes aprendem sobre o cultivo e como melhorar a produtividade. “Cada espécie é cultivada de uma maneira. “Falamos sobre a formulação correta dos insumos e sua aplicação, e, também, sobre o microclima, que é de extrema importância para a produção”, comenta.

Ela destaca que os produtores devem se preocupar com a qualidade do substrato utilizado e com a estrutura utilizada para o cultivo de cada espécie. “No microclima ideal, as plantações de cogumelos oferecem mais resultado e diminuímos a incidência de pragas e doenças, além de oferecer melhor qualidade ao mercado”, explica.

Para a produtora rural Juliana Monteiro, as aulas atenderam às expectativas. “Eu buscava uma alternativa sustentável para minha propriedade. Percebemos que o cogumelo pode agregar muito valor, já que é possível utilizá-lo de muitas formas”, comentou.

João Pedro Villani, produtor de Champignon de Paris e Porto Bello, também aprovou o curso. “Adquiri novos conhecimentos, aprendi novas formas de produção e de manejo que vou aplicar na minha plantação”, comentou. Ele avalia que o cogumelo é um excelente negócio. “Mesmo tendo um investimento inicial mais alto, o retorno é garantido, já que temos um mercado com bastante demanda para as três espécies estudadas”, concluiu.

Para maiores informações, acesse Portal FAESP/SENAR-SP