ALIMENTAR

É CONSTRUIR

O FUTURO

Paraná

Comissão Técnica de Avicultura destaca aplicação da energia solar na atividade
Whats App Image 2020 03 30 at 21 43 19

Mais de 3,9 mil produtores rurais do Paraná já instalaram fontes renováveis em suas propriedades. Expectativa é de que número aumente ainda mais

21 de fevereiro 2022
Por CNA

A adoção crescente da energia solar fotovoltaica na produção paranaense de aves foi o principal tema abordado na reunião da Comissão Técnica (CT) de Avicultura da FAEP, nesta sexta-feira (18), por videoconferência. Hoje, mais de 3,9 mil produtores rurais mantêm usinas fotovoltaicas no Estado, aumento de 70% em relação a novembro do ano passado. Avicultores que participaram do encontro falaram da viabilidade econômica dos investimentos. A expectativa é de que ao longo de 2002 o número de projetos implantados aumente ainda mais.

Na reunião, Luiz Eliezer Ferreira, técnico do Departamento Técnico e Econômico (DTE) do Sistema FAEP/SENAR-PR, apresentou o contexto que realça a importância de se investir na geração da própria energia. Ele elencou, por exemplo, o fim de subsídios tarifários previstos por decreto federal, o aumento constante da energia elétrica e o fim da Tarifa Rural Noturna (previsto para o fim deste ano).

Além disso, Ferreira mencionou o Projeto de Lei 14.300/22 – chamado de Marco Legal da Geração Distribuída – que, além de trazer previsibilidade e segurança jurídica aos investimentos, prevê isenções em alguns pontos tarifários para quem enviar seu projeto de instalação de usina de energia renovável até o fim deste ano. A legislação também prevê a possibilidade de os mini ou microgeradores venderem o excedente de energia produzido às concessionárias, por meio de chamadas públicas.

“Todo esse cenário deve provocar uma corrida pela instalação de usinas em propriedades rurais de todo o Estado. É um investimento que se paga em um período curto – de quatro a sete anos, dependendo do caso –, e que o produtor goza dos benefícios por mais de 25 anos, tempo de vida útil dos painéis”, disse Ferreira.

O técnico do DTE também abordou o Paraná Energia Renovável (Renova PR), programa do governo do Estado criado para estimular a implantação de usinas fotovoltaicas e de biogás. Ferreira também mencionou o exemplo do Sistema FAEP/SENAR-PR, que implantou um conjunto de 304 painéis em seu Centro de Treinamento Agropecuário (CTA) de Assis Chateaubriand, no Oeste do Paraná. A usina tem gerado uma economia na conta de energia da entidade de R$ 113 mil por ano.

Bons exemplos

Há ano e meio, o presidente da CT de Avicultura, Diener Gonçalves, instalou um conjunto de painéis fotovoltaicos em sua propriedade. Desde então, ele vem sentindo no bolso a economia na conta de luz, propiciada pelo investimento. “É o melhor negócio que fiz na minha vida”, resumiu. “Temos relatos que produtores estão se desligando da atividade por causa dos custos. De outro lado, além de praticamente eliminar o custo com a energia, tem essa possibilidade de a Copel vir a adquiria a produção”, disse.

Produtores de outras regiões do Paraná, como João Wochner, do Oeste, e Nilton Wendler, dos Campos Gerais, também compartilharam suas experiências com a implantação de energias renováveis. “Estou com a usina há 14 meses. De lá para cá, baixou 90% o custo com a energia. É um investimento que te dá um retorno que não se compara a nenhum outro”, apontou Wochner. “É um benefício que atende a produtores de todos os tamanhos, de acordo com a necessidade. Não é um gasto, é um investimento que diminui os custos. No meu caso, é um conjunto de 40 placas, que nos dá uma economia de R$ 13 mil por ano”, disse Wendler.

Outros temas

A reunião da CT de Avicultura também abordou outros temas de interesse do setor, com a participação de Nicolle Wilsek e Mariani Benites, ambas do DTE, e de Ruan Schwertner, do Departamento Jurídico do Sistema FAEP/SENAR-PR. Em uma das apresentações, Mariani esmiuçou como é feito o levantamento dos custos de produção. Aferido pelo Sistema FAEP/SENAR-PR em oito regiões produtivas junto a avicultores, o estudo tem sido determinante para o setor, fornecendo dados consistentes para subsidiar produtores no gerenciamento da produção.