Mato Grosso

BioAS afere sustentabilidade no solo
Whats App Image 2022 06 24 at 15 56 33

Protocolo laboratorial da Embrapa identifica saúde do solo de forma inédita

24 de junho 2022
Por Senar

Quem conhece a realidade das lavouras e pastos mato-grossenses, sabe dos impactos positivos ao ambiente ocasionados por práticas rotineiras como o plantio direto. Comprová-los cientificamente é ainda um desafio, que começa a ser superado com iniciativas como a bioanálise do solo (BioAS) , protocolo da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) divulgado durante o Famato Embrapa Show.

A solução, disponível há dois anos para o bioma Cerrado, consiste na inserção de marcadores biológicos nas análises laboratoriais de solo. “Quando analisamos o componente biológico nas amostras, podemos ter uma visão mais completa do grau de saúde do solo. Aspectos que eram visíveis ao produtor rural, como o aumento da biodiversidade nas lavouras, não conseguiam ser mensurados nas análises químicas. Agora, isso mudou”, observa a pesquisadora Ieda Mendes, da Embrapa Cerrados.

A solução apresentada por Ieda coloca o Brasil como pioneiro mundial: somos o primeiro país do mundo a incluir as enzimas arilsulfatase e beta-glicosidase nas rotinas de laboratórios comerciais que fazem a análise de solo.

“A visão do produtor fica ampliada, porque os resultados vão além de indicar se há excesso ou ausência de nutrientes na amostra analisada. É possível construir uma memória química do solo, identificando os impactos diretos das práticas produtivas adotadas”, explica Ieda. 

Foram necessários 20 anos de pesquisa até o lançamento do BioAS, em 2020. Neste mês, a tecnologia foi disponibilizada também no Paraná, pois até então estava focada no Cerrado.

Para além de ampliar a capacidade de análise laboratorial, a solução tem alto valor para a sustentabilidade ambiental do agro. “O BioAS nos permite ver o solo como um superorganismo capaz de prestar importantes funções ambientais, da oferta à ciclagem e armazenamento de nutrientes”, argumenta a pesquisadora.

Sustentabilidade econômica

Além dos ganhos ambientais, práticas produtivas como plantio direto, rotação de culturas e integração entre lavoura, pecuária e floresta geram resultados positivos também para a saúde financeira dos produtores rurais.

“Observamos que, em média, as propriedades que adotam o sistema consorciado na produção de leite conseguem aumentar o faturamento com a venda do produto de 55% para 79%”, informa Miqueias Michetti, do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea).

Michetti apresentou em minipalestra no Famato Embrapa Show os resultados de um estudo de caso de uma propriedade leiteira que adota integração lavoura-pecuária.

0

“Os sistemas integrados criam uma ambiência favorável, com pastagens mais nutritivas uma disponibilidade maior de forragem. Dessa forma, os animais expressam melhor todo seu potencial genético, o que os torna mais produtivos. Isso significa um aumento no número de litros vendidos por hectare”, afirma.

Outra experiência bem-sucedida de sistema integrado exposta no Famato Embrapa Show foi o Sistema Gravataí .  Trata-se de um consórcio de feijão-caupi com braquiária para pastejo do “boi safrinha” em integração anual com a lavoura de soja. A experiência foi apresentada em formato de pôster interativo. O resultado foi um aumento médio de 5 sacas de soja por hectare na safra seguinte e incremento de até uma arroba de carne por hectare em relação ao uso de braquiárias solteiras.

Evento – Idealizado pela Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato) e construído em parceria com a Embrapa Agrossilvipastoril e o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar-MT), o Famato Embrapa Show apresenta de 22 a 24 de junho mais de 60 inovações desenvolvidas por 14 unidades da Embrapa em diversas regiões do Brasil. São tecnologias com foco em sistemas produtivos de grãos, fibras e pecuária de corte, além de tecnologias de saneamento básico rural.