ALIMENTAR

É CONSTRUIR

O FUTURO

São Paulo

Aldeia indígena em Itaporanga diversifica produção de objetos com curso de artesanato em bambu
Site bambu

Peças são comercializadas no turismo local ou em eventos culturais na cidade

6 de setembro 2022
Por Senar

Por: SENAR-SP

Fonte: Comunicação do Sistema FAESP/SENAR-SP

“Foi o melhor curso de artesanato em bambu que ministrei até hoje, em participação e envolvimento dos alunos”, descreve Anderson Henry Lopes, instrutor do SENAR-SP (Serviço Nacional de Aprendizagem Rural), sobre as aulas na aldeia indígena Tekoa Porã, no município de Itaporanga. Fruto de uma parceria entre o SENAR-SP e o Sindicato Rural de Taguaí, o curso aconteceu no final de julho, envolvendo 15 alunos, que aprenderam a elaborar novos objetos para incrementar a produção artesanal e ampliar a fonte de renda.

Criada em 2016, a aldeia Tekoa Porã é formada por indígenas de origem tupi-guarani e conta com 14 famílias, totalizando 49 pessoas. Eles já dominavam a técnica para confeccionar objetos como arco e flecha, vestimentas, zarabatanas (armas feitas de um tubo de madeira), bijuterias utilizando sementes, mas desejavam aprender a amarração do trançado para criar itens e diversificar as possibilidades de venda aos turistas que visitam o local ou nos eventos culturais dos quais participam na cidade. “Eu fiquei surpreso com o envolvimento deles, pois imaginei que os indígenas já sabiam tudo sobre a arte com bambus. Eles se mostraram muito animados em aprender a nova técnica. Ao final do dia de aula eles continuavam até a noite, para terminar as peças”, conta Anderson.

O curso conta com carga horária de 40 horas, divididas em cinco dias, resultando na produção de 10 objetos. Os participantes aprenderam desde a identificação do melhor tipo de bambu para a elaboração da cestaria (no caso, a taquara) até a comercialização do produto. Modelaram instrumentos como o samburá (cestinho para transportar o peixe), o jacá (cesto para transportar carga no lombo de animais), balaio e peneira.

O alcance social da iniciativa é notório, segundo Marcelo de Azevedo, coordenador do SENAR-SP no Sindicato Rural de Itaguaí. “É um povo ávido por novos conhecimentos, que não tem muitas iniciativas voltadas a ele. Percebemos que o aproveitamento foi de 100% entre os alunos”, relata. Ele elenca vários cursos que já foram ministrados na aldeia pelo SENAR-SP, com resultados igualmente positivos, como olericultura básica – compostagem e artesanato em fibras vegetais. “Eles fizeram um cântico e uma oração em agradecimento a nós, ao final do curso de artesanato em fibras vegetais. Foi muito emocionante”, lembra Marcelo.

O cacique Angerri da Silva foi um dos participantes do módulo, que trouxe qualificação e a possibilidade de maior renda, segundo ele. “Para nós foi muito importante aprender a fazer objetos como balaio e cesto porque valoriza nosso artesanato”, diz o líder da aldeia que significa “solo sagrado”, em tupi guarani. Ele destaca a diversidade na faixa etária dos moradores da comunidade, que envolveu crianças, jovens, adultos, até os idosos, considerados os mais sábios da comunidade. “Eles são os nossos txeramõi , a quem respeitamos e valorizamos”. Iniciativas como a do SENAR-SP são fundamentais para a preservação e a divulgação da expressão cultural do povo indígena.

Para informações sobre cursos e programas do SENAR-SP, consulte o sindicato de sua região ou acesse https://faespsenar.com.br/cursos/